Confira quais são os 25 filmes que entraram para o National Film Registry em 2017

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”justified” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

A Biblioteca do Congresso anunciou na última quarta-feira (13), os 25 filmes que entrarão nesse ano de 2017 no National Film Registry, as obras fora selecionados de acordo com sua “importância cultural, histórica e/ ou estética”. Os selecionados elevam o número de registros para 725 filmes.

“A seleção de um filme para o National Film Registry reconhece sua importância para o cinema americano e o patrimônio cultural e histórico da nação. Nosso caso de amor com filmes é um testemunho de seu poder duradouro para iluminar, inspirar e informar-nos como indivíduos e uma nação como um todo. Ser encarregado de selecionar apenas 25 anos por ano é assustador porque há tantos ótimos filmes que merecem essa honra.”, disse a bibliotecária do congresso, Carla Hayden, em anúncio oficial.

Confira abaixo a lista completa dos filmes.

“A Montanha dos Sete Abutres” (1951), de Billy Wilder

Com falhas que ultrapassam seu talento, o repórter Chuck Tatum tem viajado o país pulando de emprego para emprego. Quando chega no Novo México, Tatum começa a trabalhar em jornal local, mas acha que não há muito o que fazer em termos de notícias. No entanto, quando Tatum fica sabendo de um caçador de tesouros preso em uma mina, ele transforma a história em uma sensação na mídia. Logo Tatum começa a usar táticas inescrupulosas para tirar proveito da situação.

“Boulevard Nights” (1979), de Michael Pressman

O filme é um retrato da vida em uma gangue. Cansado dos perigos e da violência nas ruas, Chicano é um jovem que tenta a todo custo sair da gangue e mudar de vida, mas ele sempre acaba sendo atraído de volta para o grupo que, apesar dos pesares, esbanja fraternidade na luta pela sobrevivência.

“Duro de Matar” (1988), de John McTiernan

O policial de Nova York John McClane está visitando sua família no Natal. Ele participa de uma confraternização de fim de ano na sede da empresa japonesa em que a esposa trabalha. A festa é interrompida por terroristas que invadem o edifício de luxo. McClane não demora a perceber que não há ninguém para salvá-los, a não ser ele próprio.

“Dumbo” (1941), de Ben Sharpsteen, Wilfred Jackson, Norman Ferguson, Samuel Armstrong, Jack Kinney, Bill Roberts e John Elliotte

Dumbo é um bebê elefante de um circo que nasceu com orelhas enormes. Após ser ridicularizado por seu grupo de amigos, ele se transforma na principal atração de seu circo quando descobre que, usando suas orelhas, é capaz de fazer o que nenhum outro elefante consegue: voar.

“Campos dos Sonhos” (1989), de Phil Alden Robinson

Ray, um agricultor em Iowa, ouve uma voz misteriosa durante à noite vinda do seu milharal dizendo: “Se você construir, ele virá”, e sente a necessidade de obedecer. Então, ele constrói um campo de beisebol, apoiado por sua mulher, Annie. Mais tarde, os fantasmas de grandes jogadores começam a aparecer para jogar, liderados por “Shoeless” Joe Jackson. Ray busca um autor recluso para entender essas mensagens e o verdadeiro propósito do campo que construiu.

“Quatro Meninas – Uma História Real” (1997), de Spike Lee

Documentário que relembra um dos piores crimes raciais da história americana. Em pleno apogeu dos movimentos por direitos civis, uma bomba explode em uma igreja do Alabama matando quatro meninas negras.

“Fuentes Family Home Movies Collection” (1920 a 1930)

Muito tempo atrás, Corpus Christi, Texas, os residentes Antonio Rodríguez Fuentes (1895-1988) e Josefina Barrera Fuentes (1898-1993) foram muito ativos em sua comunidade mexicano-americana local. A sua coleção de filmes caseiros – principalmente da década de 1920 e filmada no formato de filme amador de 9,5 mm – estão entre os primeiros registros visuais da comunidade mexicano-americana no Texas e entre os primeiros gravados por cineastas mexicano-americanos. Tal como acontece com os melhores filmes caseiros, as imagens fornecem inestimável imagens do tempo e do lugar, incluindo desfiles, feriados, modas e os rituais da vida cotidiana. As belas imagens também refletem a natureza tradicionalmente fluida da fronteira entre os EUA e México. A coleção é um projeto conjunto entre o Texas Archive of the Moving Image e Texas A & M University-Corpus Christi.

“A Luz é Para Todos” (1947), de Elia Kazan

O jornalista Phil Green se muda para Nova York e recebe a tarefa de escrever uma matéria sobre o antissemitismo. Para ter uma perspectiva real, ele finge ser judeu e começa a ser alvo de preconceito.

“Os Goonies” (1985), de Richard Donner

Os Goonies encontram um misterioso mapa do tesouro e começam a seguir as pistas, entrando num fabuloso mundo subterrâneo de passagens secretas, perigosas armadilhas e um antigo galeão pirata que esconde moedas de ouro.

“Adivinhe Quem Vem Para Jantar” (1967), de Stanley Kramer

Joey foi criada por seus pais para ter a mente aberta, mas a situação muda quando ela traz um noivo negro para casa. Embora decidida a se casar apesar de qualquer objeção, seu noivo quer a aprovação dos pais dela e dos seus também.

“Ironia da Sorte” (1924), de Victor Sjöström

Um dos primeiros filmes de “palhaços assustadores”, “Ironia da Sorte” foi o primeiro filme produzido completamente pelo estúdio MGM, embora não o primeiro lançado. O filme apresenta Lon Chaney em um papel memorável como um cientista que é humilhado quando um rival e sua esposa roubam suas idéias exatamente como ele deve apresentá-las à Academia das Ciências. Ele então se torna um palhaço de circo masoquista, onde o destaque de seu ato está sendo repetidamente esbofeteado. Uma das muitas cenas de destaque ocorre durante uma performance de circo, onde Chaney detecta aqueles que o traíram e tenta chamá-los, mas seus colegas de palhaço estão fazendo a rotina normal da multidão de dar uma bofetada no rosto.

“Interior New York Subway, 14th Street to 42nd Street” (1905), de Billy Bitzer

Este filme documenta a mais nova maravilha da cidade de Nova York, o metrô, menos de sete meses após sua abertura. No entanto, o filme não é tão simples como parece. Era preciso coordenar três trens: o que assistimos, aquele que leva a câmera e um terceiro (vislumbrados na pista paralela) para carregar um banco de luzes.

“La Bamba” (1987), de Luiz Valdez

Em 1958, o adolescente de Los Angeles Ritchie Valens torna-se um astro do rock da noite para o dia, graças a uma música chamada Donna, que ele compôs para sua namorada, cujos pais não queriam que ela namorasse um rapaz latino. Mas enquanto sua estrela brilha, Valens tem conflitos com Bob, seu irmão ciumento, e é assombrado pelo pesadelo de um acidente de avião quando começa sua primeira turnê nacional.

“Lives of Performers” (1972), de Yvonne Rainer

Yvonne Rainer nasceu em São Francisco em 1934. Em uma idade muito jovem, o pai de Rainer apresentou-a para filmes e sua mãe a apresentou ao balé. Ela se mudou para Nova York em 1956, onde estudou dança na Escola Martha Graham e também aprendendo balé em Ballet Arts. Tal como outros coreógrafos de sua era, Rainer procurou desfocar a linha rígida separando dançarinos de não-dançarinos. Seu trabalho foi descrito como “fundacional em várias disciplinas e movimentos: dança, cinema, feminismo, minimalismo, arte conceitual e pós-modernismo”. “Lives of Performers” caracterizou-se como “um exame exato e revelador de alianças românticas … o dilema de um homem que não pode escolher entre duas mulheres e as faz sofrer ambas”.

“Amnésia” (2000), de Christopher Nolan

Leonard está caçando o homem que estuprou e matou sua esposa. Ele tem dificuldades em encontrar o assassino pois sofre de uma forma intratável de perda de memória. Mesmo que ele possa lembrar detalhes da vida antes do acidente, Leonard não consegue lembrar o que aconteceu quinze minutos atrás, onde está indo ou a razão.

“O Paraíso Infernal” (1939), de Howard Hawks

Bonnie conhece um grupo de pilotos que se arriscam entre neblina e montanhas fazendo entregas. O frio e distante líder dos aviadores Geoff, chama especialmente sua atenção, mas para conquistá-lo, Bonnie terá antes que afastar Judy de seu caminho.

“O Naufrágio do Lusitania” (1918), de Winsor McCay

Tendo construído praticamente uma animação como meio viável através de filmes como “Little Nemo” (1911) e “Gertie the Dinosaur” (1914), o cartunista do jornal Winsor McCay produziu esta propaganda curta (combinando animação, desenho editorial e técnicas de documentação em tempo real) para colocar os americanos em ação depois que um submarino alemão afundou o forro britânico RMS Lusitania em 1915, matando 1.198 passageiros e tripulantes, incluindo 128 americanos. McCay estava chateado com o sentimento isolacionista presente no país e com seu empregador, a cadeia de jornais de Hearst. Demorou cerca de dois anos a McCay trabalhar por conta própria para produzir o filme, estreando um ano depois que a América entrou na guerra. No entanto, este é um filme significativo historicamente e um exemplo inicial notável de animação sendo usado para um propósito diferente da comédia.

“Spartacus” (1960), de Stanley Kubrick

O rebelde Spartacus, nascido e criado escravo, é vendido para o treinador gladiador Batiatus. Depois de semanas sendo treinado para matar na arena, Spartacus se rebela contra seus donos e lidera os outros escravos em uma rebelião. À medida que os rebeldes vão de cidade em cidade, os seus números aumentam conforme os escravos fugidos se juntam a eles. Sob a liderança de Spartacus, eles vão a caminho do sul da Itália, onde eles podem atravessar o mar e voltar para suas casas.

“Superman: O Filme” (1978), de Richard Donner

Pouco antes da destruição do planeta Krypton, o cientista Jor-El envia seu pequeno filho Kal-El em uma nave espacial à Terra. Criado pelos agricultores Jonathan e Martha Kent, o jovem Clark descobre a fonte de seus poderes sobre-humanos e se muda para Metrópolis para combater o mal. Como Superman, ele luta contra o vilão Lex Luthor e como repórter, Clark Kent, tenta conquistar Lois Lane.

“A Vida e a Música de Thelonious Monk” (1988), de Charlotte Zwerin

Documentário sobre o compositor e pianista de jazz moderno, Thelonious Monk incluindo cenas dele fora os palcos. Ricker, como produtor, junta-se a diretora Charlotte Zwerin, ao produtor executivo Clint Eastwood e outros para trazerem esse material à vida. “A Vida e a Música de Thelonious Monk” combina imagens dos Blackwood com Thelonious no estúdio, durante a turnê e cenas por trás das câmeras, como novas entrevistas, fotos de arquivo e muito mais para criar um marco visual na história do jazz moderno.

“Time and Dreams” (1976), de Mort Jordan

O filme é uma abordagem elegíaca única e pessoal para o movimento dos direitos civis. O cineasta descreveu “Time and Dreams” como uma viagem pessoal de volta a sua casa em Alabama, onde ele contrasta duas sociedades: a nostalgia que alguns residentes têm por valores passados versus os sonhos diferidos daqueles que estão bem antes de esperar seu tempo para participar plenamente na promessa de seus próprios sonhos. Através de vinhetas e testemunhos pessoais, o filme retrata o Condado de Greene, Alabama, à medida que suas pessoas se movem para a compreensão e cooperação em um momento de mudança social.

“Titanic” (1997), de James Cameron

Um artista pobre e uma jovem rica se conhecem e se apaixonam na fatídica jornada do Titanic, em 1912. Embora esteja noiva do arrogante herdeiro de uma siderúrgica, a jovem desafia sua família e amigos em busca do verdadeiro amor.

“Não Durma Nervoso” (1990), de Charles Burnett

O velho amigo Harry vem visitar Gideon e sua família em Los Angeles. Mas sua influência ameaça acabar com o casamento do filho do casal e parece estar relacionada com a doença que deixa Gideon em estado grave.

“Wanda” (1971), de Barbara Loden

A atriz de cinema e TV, Barbara Loden, escreveu e dirigiu este estudo de caráter afetuoso e perspicaz sobre uma mulher passiva e não educada da região de mineração de carvão da Pensilvânia, onde o filme de cinema parecido com o filme foi filmado. O personagem do título possui autoestima criticamente baixa, deixa seus filhos e marido e depois se desloca sem rumo para uma série de estandes de uma noite e um relacionamento perigoso com um ladrão de banco.

“With the Abraham Lincoln Brigade in Spain” (1937-1938), de Noel Buckner, Mary Dore e Sam Sills

Este documentário de advocacia sobre a Brigada Lincoln foi filmado durante a Guerra Civil Espanhola para arrecadar fundos para trazer voluntários americanos feridos para casa. Cerca de 2.800 americanos se alistaram nas Brigadas Internacionais para lutar contra o fascismo em defesa da República Espanhola.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Não quer perder nenhuma notícia? Siga o nosso perfil no Twitter!

Nem assistimos "#LegoStarWars: Contos Aterrorizantes", mas já amamos as referências. #StarWars

De acordo com alguns vazamentos, a duração de #HomemAranhaSemVoltaParaCasa é de 2 horas e 37 minutos. #SpiderManNoWayHome

Apresentando... as #DCFanDome Fridays! Para te contar tudo sobre isso, trouxemos ele mesmo: Jim Lee 🙌