Você certamente já deve ter ouvido a frase “Situações extremas pedem atitudes extremas”. Ela pode variar um pouco, depende da região. Um país quando chega a uma situação de calamidade apela para atitudes extremas. A mais popular são as ‘leis de extermínio’. Elas acontecem quando a população e/ou o governo encontra um problema e acha o culpado, ou atribui a culpa injustamente. Os nazistas exterminaram quem não era um ‘ariano’, os comunistas exterminaram os burgueses, os americanos exterminaram os índios e, em ‘Uma Noite de Crime’ a população se auto-exterminava, digamos assim.

O argumento da franquia é que a criminalidade estava em níveis alarmantes e a economia estava despencando, então foi criado um dia no ano onde, por uma noite e durante doze horas, todos os crimes eram válidos. A ideia foi recebida com espanto, mas foi validada. Deu certo. A economia voltou a subir e os níveis de criminalidade caíram. Entrementes, há uma boa explicação para isso ter acontecido.

A ideia de que as pessoas teriam uma chance de despertar seu ‘lado animal’ que fica reprimido durante todo o ano as deixariam mais calma tem fundamento, porém não o suficiente para salvar um país. No primeiro filme, com Ethan Hawke, já se percebe que o racismo motivava os crimes. Também pode se notar como o poder pode criar relações tensas até mesmo entre vizinhos.

O segundo filme da trilogia, ‘Uma Noite de Crime 2: Anarquia’ mostra de uma forma perfeita como seria se essa lei incrivelmente insana fosse aprovada em um país. Os pobres seriam exterminados em massa, sobretudo os negros e imigrantes. Os mais ricos comprariam pobres moribundos a fim de matá-los para ‘expurgar’, como dizem nos filmes. Sem mencionar que seria o dia perfeito para traficantes de pessoas e de órgãos. Seria a oportunidade mais do que perfeita para sequestrar pessoas e/ou matá-las e roubar todos os seus órgãos. Tudo seria possível. No terceiro filme, uma candidata à presidência defende o fim do expurgo. Obviamente a oposição tenta matá-la. Contudo, surgem grupos que lutam pelo fim do expurgo. Acalme-se. Não darei spoilers.

A trilogia ‘The Purge’ mostra tudo que governos extremistas podem fazer. Matar milhões para ‘salvar’ um país. Mais do que isso, a trilogia mostra o que podemos fazer sem que haja um controle. Você pode até pensar ‘Nossa, mas eu não faria nada disso!’. O que você faz quando seus pais não estão olhando? O que seria capaz de fazer quando não houvesse autoridades te olhando? Como reagiria se sua casa fosse invadida, se sua família fosse morta e você soubesse que o ‘criminoso’ não seria punido por isso? Não há como saber nossa reação. Se há um lado animal dentro de nós, ele deve ser mantido enjaulado a sete chaves.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não quer perder nenhuma notícia? Siga o nosso perfil no Twitter!

Chloé Zhao irá escrever e dirigir uma nova versão de "Drácula" para a Universal.

2

No @DisneyPlusBR, a série "Agents of SHIELD" foi movida para a sessão "Marvel Legacy", dando a entender que a série não faz mais parte do MCU.

Elizabeth Olsen estrelará minissérie "Love and Death", produzida por Nicole Kidman para a HBO Max, sobre a história real de uma mulher que matou sua colega de igreja com um machado no Texas.

2

Para celebrar o #StarWarsDay, chega amanhã ao Disney+ o curta animado "Maggie Simpson in The Force Awakens From Its Nap".

As filmagens de "Cavaleiro da Lua", do Marvel Studios, já estão acontecendo em Budapeste!