[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”justified” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

Há 25 anos estreava “Jurassic Park”, um filme que não só revolucionou o cinema pela produção ousada e caprichada, mas também moldou uma a forma como uma geração se relaciona com os dinossauros. É inegável o papel do longa no gosto (quase) unânime pelos monstros pré-históricos, e há quem diga que o filme de Steven Spielberg influenciou uma nova geração de paleontólogos. Tamanha relevância é tão assustadora quanto um T-Rex e esse legado foi muito explorado, com altos e baixos, neste quarto de século, nos trazendo até “Jurassic World: Reino Ameaçado”.

Em 2015, após 14 anos de sua última sequência, “Jurassic Park” ganhou um reboot e vimos a franquia renascer em “Jurassic World”. O longa foi uma das maiores bilheterias da história e, mesmo apresentando uma história com a mesma essência do primeiro filme de Spielberg, soube encontrar o seu rumo e identidade no futuro da franquia, matando a saudade dos fãs da Ilha Nublar.

“Jurassic World: Reino Ameaçado” segue a mesma fórmula, inspirando-se em “O Mundo Perdido: Jurassic Park”, segundo filme da franquia dirigido por Spielberg. Na trama, após 3 anos do incidente na Ilha Nublar, um vulcão entra em atividade e ameaça extinguir os dinossauros que lá ficaram. Esta “nova” extinção divide a opinião pública, onde ativistas clamam por uma posição do governo para salvar as espécies da ilha. Claire Dearing (Bryce Dallas Howard), ex-diretora do Jurassic World, lidera um desses movimentos e acaba retornando para a ilha numa missão de resgate dos dinos, ao lado do treinador de velociraptors Owen Grady (Chris Pratt).

A personagem de Bryce evoluiu, assim como a sua atuação, e vemos uma Claire mais meiga e engajada. Fica evidente a transformação causada pelo incidente do filme anterior, e a atriz soube transparecer essa carga emocional. Já Chris Pratt entrega um personagem mais raso, mesmo com uma tentativa de aprofundar a história de Owen Grady, o ator só consegue se destacar nas cenas de ação e comédia, com o seu perfil “bad ass”.

[/et_pb_text][et_pb_image admin_label=”Imagem” src=”http://supercinemaup.com/wp-content/uploads/2018/06/jw-blue.jpg” show_in_lightbox=”off” url_new_window=”off” use_overlay=”off” animation=”off” sticky=”off” align=”left” force_fullwidth=”off” always_center_on_mobile=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_margin=”25px||25px|”] [/et_pb_image][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”justified” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

Se algum personagem soube roubar a cena foi a Blue, a única velociraptor sobrevivente do filme anterior. Blue faz as vezes do T-Rex nos outros filmes e, além de salvar os heróis em vários momentos, tem cenas verdadeiramente emocionantes. Tanto o diretor, J.A. Bayona, como a equipe de efeitos especiais trabalharam muito bem para a emoção da personagem parecer verídica.

Inclusive, a direção de Bayona apostou muito na emoção, o que traz novos ares para a franquia. A nova extinção dos dinossauros é triste, e a catástrofe foi tratada com respeito dentro da trama, de forma muito semelhante que o diretor trabalhou em “O Impossível” (2012). Bayona também acertou ao abandonar as cenas misteriosas, visto que não há necessidade de ocultar os dinossauros no quinto filme da franquia.

Enquanto a direção inovou, a trilha sonora ainda apostou nas notas de John Willians, entretanto a música tema já está desgastada nessa altura, e neste longa a utilização dela não traz nostalgia e chega a ser incoerente com algumas cenas que está presente. Michael Giacchino decepciona neste ponto, pois entregou uma trilha melhor para os trailers do que para o longa, mesmo que seja compreensível a natural “pressão” em inovar na trilha de um clássico.

“Jurassic World: Reino Ameaçado” termina de uma forma que nenhum outro filme da franquia terminou, abrindo novas perspectivas para uma história completamente original e imprevisível no, já anunciado, terceiro filme. E depois de 25 anos, ainda vale a pena ir aos cinemas para ver dinossauros em ação.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Não quer perder nenhuma notícia? Siga o nosso perfil no Twitter!

Depois do hilário especial de natal, lançado no ano passado, "Lego Star Wars" volta ao #DisneyPlus com um especial de Halloween em 1º de outubro!

E o jogo vai começar a virar! #JohnnyDepp ganhou uma ação judicial contra #AmberHeard que obrigará a atriz a provar que doou de fato o dinheiro que recebeu no divórcio. (Segue a thread para entender o porquê isso importa) #JusticeForJohnnyDepp

#MsMarvel deve ser adiado para o começo de 2022, segundo um rumor.

#WhatIf terá 9 episódios na primeira temporada e mais 9 episódios na segunda!

Segundo um rumor, Henry Cavill voltará como #Superman em #TheFlash ⚡

#DaveBautista, intérprete do Drax, disse que não o chamaram para dar voz ao personagem na série "What If". Além do ator, Robert Downey Jr., Chris Evans e Tom Holland também não retornam.