Mesmo sendo um suspense com bastante potencial, “Obsessão” ainda deixa a desejar

A tensão é uma ferramenta extremamente importante para o gênero de suspense. Quando bem construída, consegue fazer o espectador se remexer na cadeira imaginando se algo ruim vai ou não acontecer naquela sequência. “Obsessão”, filme com Isabelle Huppert (“Elle”) e Chloë Moretz (“O Mau Exemplo de Cameron Post”), consegue criar uma tensão extremamente satisfatória, mas ainda assim não foi o bastante para se tornar um filme memorável.

No longa-metragem, Frances (Moretz) é uma jovem que vive com uma amiga na cidade de Nova York pouco tempo depois da morte de sua mãe. A personagem encontra uma bolsa no metrô e, ao devolvê-la, começa um laço de amizade com Greta (Huppert), uma senhora que vai se mostrando cada vez mais obsessiva e manipuladora. As duas principais atrizes do filme têm um grande histórico na sétima arte, e ambas conseguem interpretar com bastante destreza seus papéis, inclusive expressando muito bem a carga dramática que cada uma das personagens precisava para dar certo.

Entretanto, os dois outros personagens com significante tempo de tela, sendo eles o pai e a melhor amiga de Frances (interpretados por Colm Feore e Maika Monroe, respectivamente), deixam muito a desejar. Feore até consegue transparecer alguns momentos de emoção aos espectadores, mas a relação com a filha foi tão pouco aprofundada que, até nos melhores momentos do ator, a carga dramática das cenas se torna insuficiente. Já a relação da personagem Erica (a melhor amiga) com Frances pareceu extremamente superficial nos primeiros dois atos do longa-metragem, mesmo que o roteiro tenha tentado forçar uma química que, infelizmente, não foi bem trabalhada até o terceiro ato.

A melhor parte de “Obsessão” fica por conta da personagem que dá o nome original ao filme, Greta, cujas mudanças de temperamento são fortemente visíveis ao público, principalmente pela incrível atuação de Isabelle Huppert: no começo, uma solitária e doce senhora, que vai se transformando, pouco a pouco, em uma angustiante mulher doente e fora de si. Como dito anteriormente, a tensão do filme foi satisfatória, conseguindo deixar o espectador cada vez mais aflito e apreensivo durante todo o longa-metragem, mas acaba por perder mérito pela utilização de clichês do gênero: a vilã é a pessoa mais sortuda da história. Sempre que é atingida, se recupera na hora exata pra virar o jogo; todas as pessoas (com algumas exceções) duvidam da má conduta da personagem, mesmo com provas concretas; e a polícia e detetives, como na maioria dos filmes, se mostram completamente incapazes de ajudar a protagonista.

Pelo menos, pode-se dizer que “Obsessão” não é um filme ruim, sendo um suspense que consegue prender a atenção do público e, assim, valendo o ingresso do cinema. Porém, não é o tipo de filme que se torna memorável ou inesquecível para os espectadores no geral, o que faz com que muitas pessoas o esqueçam e, assim, não sintam tão cedo a necessidade ou desejo de revê-lo. Portanto, os fãs do gênero, os quais hoje em dia são muitos, poderão até sair do cinema entretidos, mas ainda ficarão com aquela sensação de que alguma coisa estava, infelizmente, faltando.

Não quer perder nenhuma notícia? Siga o nosso perfil no Twitter!

Hayden Christensen estará na série "Ahsoka", do Disney+. Ele pode voltar como Anakin ou Darth Vader em flashbacks ou como um fantasma da força, ou ainda tudo isso. Rosario Dawson interpreta a protagonista que dá o título da série

2

Ryan Gosling está em negociações para viver o Ken no live-action "Barbie". Longa será estrelado pela Margot Robbie e dirigido por Greta Gerwig (de "Lady Bird" e "Adoráveis Mulheres").

2

CEO da WarnerMedia Studios, Ann Sarnoff, sobre #Duna Parte Dois: “Se nós teremos uma sequência? Se você assistiu ao filme, eu acho que você sabe a resposta".

#Duna tem qualidade suficiente para agradar diferentes espectadores, porque é um filme lindo visualmente e super detalhado, bem cara do diretor Denis Villeneuve.

Temos um título! A sequência de "Homem-Aranha no Aranhaverso" recebeu o título "Homem-Aranha através do Aranhaverso", em tradução livre.