[et_pb_section admin_label=”section” background_image=”http://supercinemaup.com/wp-content/uploads/2017/07/ozark-netflix-jason-batman-crítica-super-cinema-up-2.jpg” transparent_background=”off” allow_player_pause=”off” inner_shadow=”off” parallax=”on” parallax_method=”off” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” make_equal=”off” use_custom_gutter=”off”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”justified” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” background_color=”rgba(234,234,234,0.6)” custom_padding=”10px|10px|10px|10px”]

Vamos fazer um jogo rápido do porquê você precisa ver a nova série da Netflix.

Estava faltando uma série do gênero “ficar sem ar” para o streaming. Algumas séries tem os seus momentos, porém não se traduz em todo o seu enredo esse suspense que nos deixa angustiados e atordoados a ver o próximo episódio. E muitas vezes séries assim vem de um modo mais genérico, com atores modelos e roteiros pífios. O que não é o caso de “Ozark”, muito bem escrita, com uma fotografia imponente e gélida, atuações muito boas e uma história que nos interessa. Com uma direção firme e sabendo o que quer mostrar e quando mostrar, “Ozark” pode vir a se tornar uma das queridinhas da locadora vermelha.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Linha”][et_pb_column type=”1_2″][et_pb_image admin_label=”Imagem” src=”http://supercinemaup.com/wp-content/uploads/2017/07/ozark-netflix-jason-batman-crítica-super-cinema-up.jpg” show_in_lightbox=”off” url_new_window=”off” use_overlay=”off” animation=”left” sticky=”off” align=”left” force_fullwidth=”off” always_center_on_mobile=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_margin=”|10px||” /][/et_pb_column][et_pb_column type=”1_2″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”justified” background_color=”rgba(234,234,234,0.6)” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_margin=”|||10px” custom_padding=”10px|10px|10px|10px”]

Marty se muda para Ozark, um lago no Missouri, com o intuito de lavar dinheiro para um perigoso cartel. A sinopse pode ser batida, mas asérie nos traz um ritmo intenso com um roteiro amarrado e lembrando alguns momentos que vão fazer você dizer “Isso é tão Breaking Bad”. A série tem um piloto que te prende do começo ao final, o ritmo dá uma amenizada ao longo dos episódios, mas nunca perdendo a sua essência de não nos deixar tranquilos, como os personagens, ficamos sempre em alerta com o que pode acontecer. Com apenas 10 episódios a primeira temporada já nos diz ao que veio, um enredo forte e que vai deixar o espectador sem folego em vários momentos.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Linha”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”justified” background_color=”rgba(234,234,234,0.6)” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_padding=”10px|10px|10px|10px”]

Uma atuação muito emocional do ator Jason Bateman, que protagoniza a série de forma certeira, seguido pela belíssima Laura Linney que faz a sua esposa e ”comparsa” na trama. Tantos os filhos quantos os coadjuvantes são personagens que levam a série para um nível muito bom, tirando o vilão Del do ator Esai Morales que é meio canastrão e não tem muito o que fazer do que nos surpreender com um tiro a qualquer hora.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Linha”][et_pb_column type=”1_2″][et_pb_image admin_label=”Imagem” src=”http://supercinemaup.com/wp-content/uploads/2017/07/ozark-netflix-jason-batman-crítica-super-cinema-up-1.jpg” show_in_lightbox=”off” url_new_window=”off” use_overlay=”off” animation=”left” sticky=”off” align=”left” force_fullwidth=”off” always_center_on_mobile=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_margin=”|10px||” /][/et_pb_column][et_pb_column type=”1_2″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”justified” background_color=”rgba(234,234,234,0.6)” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_margin=”|||10px” custom_padding=”10px|10px|10px|10px”]

No piloto temos algumas semelhanças com “Breaking Bad”, como um homem ético, que respeita valores se vendo em uma situação que ele nunca imaginaria estar e que vai colocar seus ideais em jogo pelo bem da família. Um cartel que precisa dos serviços do nosso protagonista, e muita tensão em algumas cenas. Mas comparar a série de Vince Gilligan com a novata da Netflix, seria muita ousadia e uma cegueira intuitiva por bons episódios que me foram dados nos últimos minutos e também por algumas situações que conversam entre as duas séries, mas ficamos apenas nisso.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Linha”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”justified” background_color=”rgba(234,234,234,0.6)” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_padding=”10px|10px|10px|10px”]

“Ozark” é uma grata surpresa que vai te deixar maluco para ver o próximo episódio.

PS: Que trilha-sonora maravilhosa, Radiohead foi demais produção.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]