SOMBRA E OSSOS | NOVA SÉRIE DE FANTASIA DA NETFLIX É TÃO BOA QUANTO OS LIVROS, SENÃO MELHOR

Sombra e Ossos é a nova série de fantasia da Netflix, adaptação de duas sagas, conhecidas como “Trilogia Grisha” e a dulogia “Six of Crowns”, ambas escritas por Leigh Bardugo.

A história acompanha Alina Starkov (Jessie Mei Li), uma menina que perdeu seus pais ainda criança e cresceu ao lado de seu melhor amigo, o também órfão Mal (Archie Renaux). Já adultos, eles se juntaram ao exército de Ravka, um país destruído por guerra e que possui um exército de elite composto por Grishas, pessoas que têm a habilidade de manipular matéria. Eles são divididos pelo elemento que conseguem manipular (fogo, água, metal e até mesmo aspectos do corpo) e todas as crianças são testadas para descobrir se são Grisha ou não, mas Alina e Mal deram um jeito de escapar desse teste.

Uma coisa assombra todo o reino de Ravka e seus arredores: a Dobra, um campo vasto e coberto por sombra e escuridão, que abriga monstros gigantes e impassíveis e divide o reino ao meio. Acabar com a Dobra é um dos objetivos do reino, mas todos acreditam que apenas um Santo prometido poderia fazer isso acontecer.

Quando a unidade de Mal é designada para tentar atravessar a Dobra, Alina consegue se infiltrar na expedição e, quando são atacados pelos volcras – os monstros que habitam a Dobra – e estão à beira da morte, Alina salva a todos com um poder que ela nunca soube que tinha. Ela então descobre que é Grisha, mas ainda mais importante, é a Conjuradora do Sol e passa a ser vista como a esperança para acabar com a Dobra, o que começa uma disputa de forças opostas querendo se aproveitar de seus poderes.

Além da história de Alina, a Netflix tomou a ousada decisão de introduzir uma prequela de Kaz, que nos livros aparece na dulogia Six of Crowns e que se passa anos depois dos eventos da trilogia Grisha, para conectar à jornada de Alina e o resultado é muito satisfatório. Lidar com multitramas é arriscado e, muitas vezes, pode ser desastroso, mas funciona muito bem em Sombra e Ossos, principalmente porque o núcleo de Kaz, Inej e Jesper é o mais divertido e ainda se encaixa muito bem à trama principal.

O mundo de fantasia criado por Leigh Bardugo nos livros foi transportado com maestria para as telas, desde a caracterização dos personagens até o CGI aplicados aos cenários e à magia, a série é visualmente bonita e já podemos prever cosplays dos personagens quando as convenções voltarem a acontecer.

Outra decisão acertada da Netflix é a questão racial trazida pela protagonista e que não estava presente nos livros. Na série, Alina (interpretada por Jessie Mei Li, atriz britânica de descendência asiática, é de descendência shu e sofre um preconceito escancarado por conta disso aonde quer que vá, e por esse motivo nunca sentiu como se pertencesse à lugar algum.

Depois de descobrir seu novo poder, Alina é levada para a realeza sob proteção do misterioso e General Kirigan (Ben Barnes), ela aprende a controlar seus poderes enquanto espera poder se reunir com Mal, que também espera poder reencontrá-la. A relação dos dois é muito forte desde o começo, construída de forma que parece muito mais profunda do que as relações românticas de outros clássicos juvenis e um dos pontos altos da série.

Com 8 episódios de aproximadamente 50 minutos cada e um elenco tão bom quanto diverso, Sombra e Ossos consegue contar uma história fiel aos livros para quem é fã, mas tão interessante quanto para as pessoas que ainda não estão familiarizadas com o Grishaverse. Com reviravoltas e personagens bem desenvolvidos, a série teria conteúdo suficiente até mesmo para uma temporada um pouco mais extensa, mas os 8 episódios disponíveis conseguem dar conta do recado e deixam o desejo por uma segunda temporada.

Não quer perder nenhuma notícia? Siga o nosso perfil no Twitter!

A @empiremagazine divulgou a primeira imagem de Tom Cruise em "Missão Impossível 7". Confira:

Chloé Zhao irá escrever e dirigir uma nova versão de "Drácula" para a Universal.

2

No @DisneyPlusBR, a série "Agents of SHIELD" foi movida para a sessão "Marvel Legacy", dando a entender que a série não faz mais parte do MCU.

Elizabeth Olsen estrelará minissérie "Love and Death", produzida por Nicole Kidman para a HBO Max, sobre a história real de uma mulher que matou sua colega de igreja com um machado no Texas.

2

Para celebrar o #StarWarsDay, chega amanhã ao Disney+ o curta animado "Maggie Simpson in The Force Awakens From Its Nap".