“Vermelho Russo” é uma ótima opção para quem procura um filme nacional sobre método de atuação

Em “Vermelho Russo”, Marta (Martha Nowill) e Manu (Maria Manoella), duas amigas, viajam para a Rússia para estudar o método Stanislavski de atuação. No entanto, algumas dificuldades como saudades de casa, um triângulo amoroso e algumas diferenças entre elas surgem como barreiras que vão precisar ultrapassar ao longo da estadia em Moscou.

Escrito e dirigido por Charly Braun (“Além da Estrada”), o filme foi realmente rodado na Rússia e venceu o prêmio de Melhor Roteiro no Festival do Rio 2016. O longa é praticamente um documentário e foi inspirado nas experiências da própria atriz e escritora Martha Nowill. “Vermelho Russo” é um filme bastante indicado para jovens atores e atrizes, ou pessoas que se interessam em conhecer métodos de atuação.

O filme mostra de maneira bem competente que a essência da atuação é derrubar seus próprios limites interiores, sair da sua zona de conforto. A atmosfera é contagiante e sabe expressar a excitação das amigas correndo atrás de seus sonhos, por meio de uma trilha sonora alegre e mostrando o lado bonito, educado e até acolhedor (ao seu modo) do povo russo.

Outro fator interessante é a personalidade distinta dos estudantes que frequentam o grupo de estudo. Uma delas quer ser atriz para ser amada pelas pessoas, e aceita papéis coadjuvantes por ser insegura com sua aparência. Uma outra é uma mulher muito bonita, que ganhou vários papéis por conta de sua aparência e agora quer quebrar essa “imagem” superficial, aceitando personagens mais desafiadores e profundos. E há outros exemplos também. Desta forma, os arquétipos representados são uma forma muito eficiente de gerar empatia com a plateia, e funcionam muito bem.

“Vermelho Russo” também acerta na concisão. Sua duração de 1h30m é mais que suficiente para contar a trajetória das amigas sem tornar a história maçante ou também os eventos parecerem “apressados” demais. A estrutura funciona porque a direção consegue criar um fluxo de tempo sempre plausível. Por mais que não aconteçam grandes eventos, há uma sensação de verossimilhança muito sincera, fruto da direção competente e das ótimas atuações do elenco.

O filme também conta com uma boa dose de conflito, fundamental para tornar qualquer história interessante. Ao contrário do esperado, o foco não está nas diferenças culturais entre os países, como a maioria dos filmes fazem. Em “Vermelho Russo”, o conflito interno das protagonistas é muito mais explorado, como problemas pessoais e profissionais. A viagem também serve para esclarecer e fortalecer a relação entre as duas, por meio de temas como rivalidade, ciúmes e etc.

Mais um destaque vai para as cenas com o professor russo. Suas cenas são muito bem decupadas, dando um ar de naturalidade e passando credibilidade nas dicas de atuação que ele dá aos alunos. Em outras palavras, o filme consegue traduzir o sentimento do que é viver outras vidas nos palcos e nas telas. Deve-se começar conhecendo a si mesmo, e depois de se compreender, olhar para o mundo.

Concluindo, “Vermelho Russo” é uma ótima opção para quem procura um bom filme nacional sobre método de atuação. Por mais que a produção explore pouco a rica e peculiar cultura russa, muito impactante em vários aspectos para o cinema nos seus primórdios, a história de Marta e Manu cativa pela ótima entrega das atrizes, além do tom divertido e envolvente da trama. Um filme simples, porém, muito bem realizado – e talvez seja justamente aí que resida seu charme.

E você, já assistiu ou está ansioso para ver? Concorda ou discorda da análise? Deixe seu comentário ou crítica (educadamente) e até a próxima!




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não quer perder nenhuma notícia? Siga o nosso perfil no Twitter!

Uma possível sequência de #JungleCruise já está em pauta entre os executivos da Disney.

Lashana Lynch (Maria Rambeau), voltará em #TheMarvels apesar de sua morte em #WandaVision.

Leslie Grace foi escalada para viver a Batgirl no filme solo da heroína para a HBO Max.

Vão começar as gravações da terceira temporada de "The Mandalorian"/Pode ser que seja sem o Baby Yoda(Grogu).

2

5 FATOS SOBRE "TURNER E HOOCH":
1. A série é uma continuação/reboot do filme de 1989.
2. Josh Peck não supera Tom Hanks, claro, mas manda muito bem.
3. Não tem como não se apaixonar pelo Hooch.
4. Mesmo abusando dos clichês, a série é divertida.
5. Estreia amanhã no Disney+.

Segundo rumores, Tom Holland já estaria em negociações para mais uma trilogia do Homem-Aranha.