[et_pb_section admin_label=”section” background_image=”http://supercinemaup.com/wp-content/uploads/2017/05/glow-trailer-netflix-super-cinema-up.jpg” transparent_background=”off” allow_player_pause=”off” inner_shadow=”off” parallax=”on” parallax_method=”off” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” make_equal=”off” use_custom_gutter=”off”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”justified” background_color=”rgba(234,234,234,0.6)” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_padding=”10px|10px|10px|10px”]

“Glow” é uma daquelas obras que são deliciosas de se assistir. O pouco falatório dela me preocupa, pois a senhora Netflix já foi desleal com “The Get Down” e com “Glow” ela não pode fazer a mesma coisas, temos aqui a série cômica mais raiz da Netflix.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Linha”][et_pb_column type=”1_2″][et_pb_image admin_label=”Imagem” src=”http://supercinemaup.com/wp-content/uploads/2017/06/glow-netflix-super-cinema-up.jpg” show_in_lightbox=”off” url_new_window=”off” use_overlay=”off” animation=”left” sticky=”off” align=”left” force_fullwidth=”off” always_center_on_mobile=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” /][/et_pb_column][et_pb_column type=”1_2″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”justified” background_color=”rgba(234,234,234,0.6)” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_padding=”10px|10px|10px|10px”]

Pense em modelos, atrizes ou mulheres em busca de um vislumbre participando de uma luta livre, bizarro? Poderia ser, mas além da sinopse ser interessante a história é real. “Glow” foi um programa dos anos 80 de sucesso nos Estados Unidos, onde mulheres lutavam pelos motivos mais bizarros. Se você ainda está estranhando a proposta da série, pense como eles mesmos dizem na série, uma novela que acaba com mulheres saindo no braço com colãs e permanentes. Pense, na luta livre sempre existe uma história por trás, um vilão, o mocinho e sua torcida por um final feliz. E assim se nascia a “Glow” nos anos 80 e parando anos depois na Netflix, para a nossa sorte.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Linha”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”justified” background_color=”rgba(234,234,234,0.6)” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_padding=”10px|10px|10px|10px”]

A criadora da série Jenji Kohan, conta a história de Ruth, uma atriz desempregada que vê em um programa de luta livre, sua chance de alcançar o estrelato. Jenji Kohan também é criadora da outra série cômica da Netflix, “Orange Is New Black”, mas ao contrário das presidiárias, aqui temos um tom muito mais leve e muito melhor feita. Sei que “Orange is New Black” é o xodó de muita gente, mas “Glow” me remete aquelas comédias antigas de sessão da tarde, as pausas para as piadas, o improviso de algumas cenas, a magnífica utilização das músicas no momento certo para dar o tom da piada. “Glow” cheira, fala e conversa como os anos 80, e suas personagens são carismáticas, interessantes, com críticas sociais e de gênero.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Linha”][et_pb_column type=”1_2″][et_pb_image admin_label=”Imagem” src=”http://supercinemaup.com/wp-content/uploads/2017/06/glow-super-cinema-up-netflix-critica.jpg” show_in_lightbox=”off” url_new_window=”off” use_overlay=”off” animation=”left” sticky=”off” align=”left” force_fullwidth=”off” always_center_on_mobile=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” /][/et_pb_column][et_pb_column type=”1_2″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”justified” background_color=”rgba(234,234,234,0.6)” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_padding=”10px|10px|10px|10px”]

Sem levantar nenhum cartaz, “Glow” fala muito mais que muito textão, é um ”fique em silêncio” para cada homem que diz que mulheres não podem fazer algo, e na série quando alguém diz que isso não é possível, elas estabelecem que tudo é uma questão de fazer pela primeira vez, e que depois elas tiram de letra.

“Glow” foi uma grata surpresa, depois de uma leva fraca de conteúdos da Netflix, podemos dizer que a série é um “Strangers Things”, bem humorado, sem propaganda e com uma Eleven que te faz rir e torcer por ela como os pequenos fizeram na ficção mais amada da plataforma. “Glow” é algo que você precisa assistir já.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não quer perder nenhuma notícia? Siga o nosso perfil no Twitter!

Nem assistimos "#LegoStarWars: Contos Aterrorizantes", mas já amamos as referências. #StarWars

De acordo com alguns vazamentos, a duração de #HomemAranhaSemVoltaParaCasa é de 2 horas e 37 minutos. #SpiderManNoWayHome

Apresentando... as #DCFanDome Fridays! Para te contar tudo sobre isso, trouxemos ele mesmo: Jim Lee 🙌